Notas baixas: o que fazer quando meu filho vai mal na escola?

Durante a jornada escolar dos nossos filhos, surgem diversos desafios que nos deixam sem saber como agir. As notas baixas são exemplos de obstáculos que nos obrigam a intervir rapidamente para evitar problemas maiores no futuro.

Além de demonstrar uma dificuldade das crianças, essa situação também pode afetar a autoestima dos estudantes e diminuir o prazer de frequentar a escola. Por isso, é preciso saber detectar o que está acontecendo e agir pontualmente para solucionar os problemas dos alunos.

Mas como lidar com as notas baixas? Pensando nos pais que passam por isso, listamos algumas abordagens interessantes para ajudar os alunos a melhorarem o rendimento. Confira!

Converse com seu filho

Antes de tomar medidas drásticas, se apavorar ou culpar seu filho, converse com ele para entender o que está acontecendo. Você sempre conseguirá obter informações importantes, como por exemplo, se ele está sofrendo bullying, se tem algum distúrbio de aprendizagem, como deficit de atenção, ou se algum problema em casa está afetando seu desempenho.

Mostre para seu filho que, quando ele sentir dificuldade ou estiver passando por algo desafiador na escola, pode te procurar para conversar. Fazer julgamentos precoces só aumentará o distanciamento na relação de vocês e quebra da confiança.

Descubra em quais disciplinas seu filho tem mais dificuldades

Normalmente, as notas baixas aparecem em determinadas disciplinas antes de atingir todas as outras. Descobrir quais matérias são essas é um passo importante para entender o que está acontecendo na sala de aula.

É importante procurar saber se outros colegas estão apresentando dificuldades nas mesmas disciplinas. Isso pode indicar que o método adotado pelos professores não seja o ideal para a turma.

Se a deficiência do rendimento for apenas do seu filho, você já sabe por onde começar para superar esse desafio. Nesse caso, é interessante conversar com o educador para juntos traçarem um plano de estudo individual e diferenciado para sua criança.

Converse com os professores sobre o comportamento em sala de aula

Muitos pais transferem para o professor a responsabilidade de educar. Não cometa esse erro! Os professores são seus aliados na busca por uma educação de qualidade. Não tenha vergonha de procurá-los para conversar e receber orientações sobre como atuar em casa.

Nessa conversa, os pais descobrem se há algum colega com o qual o filho se distrai durante as aulas, se o aluno apresenta deficiências físicas (visual, auditiva) ou cognitivas, se ele sofre bullying, se tem o comportamento inadequado ou dificuldade de se concentrar.

Após a conversa com o educador, explique para seu filho o que está atrapalhando seu bom desempenho e permita que ele dê alternativas de como melhorar esse cenário. Essa conversa é importante para que ele tenha a oportunidade de participar ativamente deste processo.

Recorra a aulas de reforço

Após descobrir quais são as dificuldades e conversar com o estudante, recorrer as aulas de reforço é uma ótima opção, caso você não tenha disponibilidade para acompanhar de perto os estudos da criança ou não tenha conhecimento do assunto.

Entretanto, vale a ressalva: as aulas de reforço não devem ser tratadas como uma substituição da aula regular na escola. Deixe claro para o seu filho que esse recurso é temporário e que você espera um empenho dele.

Para aqueles pais que trabalham fora e, por isso, não conseguem acompanhar de perto o desenvolvimento das crianças, uma boa opção é investir em plataformas de estudo online. Esse tipo de recurso oferece videoaulas de reforço para os estudantes e possibilita o controle dos pais, por meio do acompanhamento do uso das aulas.

O que achou das nossas dicas de como agir diante das notas baixas do seu filho? Deixe um comentário abaixo dizendo qual te ajudou mais e nos conte outras atitudes que funcionaram em sua família!

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"