Entenda como o uso excessivo do celular pode atrapalhar os estudos

Lidar com a atual geração Y, que possui uma certa familiaridade maior com os produtos tecnológicos, não tem sido lá uma missão muito fácil para os pais, não é mesmo?

Segundo uma pesquisa realizada na Bélgica, com um pouco mais de 1600 alunos de idades entre 13 e 17 anos, o uso de smartphones à noite tende a ser abusivo nessa faixa etária e isso prejudica o sono e, consequentemente, os estudos.

A tecnologia, se bem utilizada, pode ser benéfica. Entretanto, o uso abusivo dela acarreta consequências patológicas, como no caso da nomofobia.

Seguindo essa linha de raciocínio, você sabe como o uso excessivo do celular pode prejudicar o aprendizado dos seus filhos? Então, veja estas informações sobre o assunto!

Reduz a concentração

Prestar atenção nas aulas não tem sido a mesma coisa depois da expansão do comércio de celulares e suas mais diversas opções tecnológicas. Os alunos sentem a necessidade de mexerem em seus aparelhos o tempo todo.

Só que aquela mensagem do crush ou as notificações de memes no Facebook devem esperar, porque conciliar as atenções para a tela e para a aula não é uma tarefa aconselhável.

Por mais que os adolescentes digam que conseguem assimilar o conteúdo, especialistas da área de psicologia afirmam que esse revezamento de atenção pode gerar estresse e, inclusive, Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Queda no rendimento escolar

Assim como em uma simples regra de três, quanto maior o desinteresse em acompanhar a aula, consequentemente, menor será o rendimento estudantil.

Professores e responsáveis, cada dia mais, se veem preocupados com as notas de crianças e adolescentes por conta do vício de mexer no celular. Quando a matéria não é assimilada direito, a tendência é que os alunos não tenham um bom desempenho em provas e trabalhos.

Muitas escolas já adotaram a proibição do uso de celulares em sala de aula por conta disso. Os resultados se mostram melhores com os alunos focados apenas na matéria.

No Mato Grosso do Sul, a deputada Celina Jallad até apresentou um projeto de lei que proíba o uso dos celulares nas instituições de ensino no estado.

Aumento da ansiedade

Esse é um ponto crítico e que pais e mães precisam ficar atentos, pois, dependendo do nível de uso do celular, isso pode acarretar problemas de saúde.

A era da tecnologia deixa a velocidade das notícias cada vez mais rápida e as várias redes sociais existentes chamam a atenção, principalmente dos jovens. Boa parte deles acaba se preocupando mais com as várias curtidas e comentários numa foto postada do que com a lição sem fazer.

É importante que os usuários saibam seus próprios limites diante do que a tecnologia e facilidades de um smartphone produzem. A maneira como se é utilizado é que pode acarretar transtornos de ansiedade.

Compromete as relações interpessoais

O uso excessivo dos celulares torna a pessoa mais focada em seu próprio mundo, numa outra realidade em que só o virtual realmente interessa.

Esse vício pode mascarar uma depressão, algo que não é incomum entre crianças e adolescentes. Problemas externos podem proporcionar uma introversão desse jovem no mundo atrás da tela e trazendo problemas sociais graves.

Comportamentos como esse de isolamento interferem no desenvolvimento emocional dos jovens e trazem consequências para a vida adulta. Na sala de aula, os relatos de discussões entre alunos e professores tem aumentado e as relações familiares também não tem sido as mesmas.

Importante enfatizar que existem alunos que conseguem ter o discernimento de até onde podem usufruir da tecnologia, porém nos casos do uso excessivo do celular se faz necessário um acompanhamento profissional para que isso não prejudique ainda mais o jovem.

Preocupante esse assunto não é verdade? Agora que você já sabe os efeitos que podem ocorrer, assine a nossa newsletter e veja mais novidades do blog! 

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"